[resenha de tinta] De Coração para Coração

DE CORAÇÃO PARA CORAÇÃO
Título original: Heart to heart
Autor: Lurlene McDaniel
Tradutor: Luana Guedes
Número de Páginas: 207
Editora: Novo Conceito
ISBN: 9788581633138
Ano: 2013
Nota: 04/05




Sinopse:
Da autora best-seller Lurlene McDaniel, De coração para coração fala de perdas, amor e renovação. Fala também da maneira como esses sentimentos tão complexos se entrelaçam, nos momentos mais difíceis, nas relações familiares e de amizade. Elowyn e Kassey são grandes amigas, que dividem tudo. Mas uma coisa Elowyn não contou para Kassey: ao tirar a carteira de motorista, ela marcou a opção “doadora de órgãos”. Kassey descobre esse detalhe da vida da amiga da maneira mais trágica – quando o desejo de Elowyn está prestes a ser atendido. Arabeth nunca teve a sorte de ter uma melhor amiga. Com o coração doente, ela leva uma vida protegida de tudo e de todos. Até que, aos 16 anos, recebe o telefonema que tanto esperava — mas inicialmente ela e sua mãe não sabem a quem devem agradecer. Quando os mundos dessas três meninas e de suas famílias se cruzam, suas vidas se transformam de maneira nunca imaginada. Kassey, especialmente, encara os fatos como uma forma de manter viva a memória de sua querida amiga. Ela passa a compartilhar da nova vida de Arabeth, ao mesmo tempo em que ajuda a aliviar o sofrimento da família de Elowyn e a compreender a sua própria dor.

Resenha:
             E então ela aprendeu algumas coisinhas!! J
            Como eu disse anteriormente na pre-resenha, Kassey tem problemas sérios de abandono desde pequena e estava sendo uma chata com a pobre da Arabeth que era a maior vitima de toda a confusão.
            Mas então Kassey começou a ver Arabeth sob outra ótica, se não a da pessoa que estava tomando tudo que era precioso pra ela e sim como a menina que estava começando a viver naquele momento, quando a vida de Elowyn se foi. E ela entendeu.
            O amadurecimento de Kassey foi bom de ser acompanhado.
“... Comecei a rir. Estava começando a gostar dela de verdade e, já não a achava tão assustadora como antes apenas por ter algumas ligações estranhas com Elowyn. Eu gostava dela porque ela era honesta e porque sabia como é perder alguém que se ama.” Pág. 144
            Um passo muito importante nesse amadurecimento dela foi reatar sua relação com o pai. Quantos adolescentes tomariam essa decisão? É uma fase complicada, onde se acha que todos estão contra e todos nos devem algo e que não devemos nada a ninguém. E quem ajudou? Arabeth. Com seu jeitinho tímido e calado, a menina mostrou o quanto ela tinha sorte.
“... Mesmo ali, na privacidade do meu quarto, eu ficava ainda arrepiada me lembrando das palavras de Arabeth e da expressão em seu rosto. Eu tenho sorte. Eu nunca pensara dessa forma. Meu pai abandonara a minha mãe e a mim, e seguimos em frente sem ele. Agora, ele voltava para nossa vida, querendo que eu me importasse com ele, e eu me recusava. Ele se desculpou, e esta nos mandando dinheiro. Ele tornara nossa vida melhor desde o primeiro contato. Mamãe o perdoara. Por que eu não? Pag. 194
            Uma história bonita, mas acho que poderia ter sido mais. Gostei, só cansei de boa parte da história ser gasta com a crise existencial de Kassey. Mas foi bom.
            O livro gira em torno de um fenômeno chamado memória celular. Um tema muito discutido, mas ainda não aceito pela comunidade científica como um todo. Pesquisando a respeito achei dois artigos interessantes: da Revista Galileu e do Folha de São Paulo. Pra quem quiser ler algo mais!
Leiam! Leitura rápida e gostosa...algumas lições de moral e reflexões interessantes.









Um comentário

  1. Ja tinha ouvido falar em memoria celular. Não duvido que seja verdade.

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo comentário!